top of page
  • Lou

UMA VISITA ASSOMBRADA A AUSCHWITZ-BIRKENAU, POLÔNIA

Atualizado: 30 de abr. de 2023

Alguns lugares você visita por sua beleza, outros por seu status de ícone. E alguns lugares, você visita porque eles nunca devem ser esquecidos.


1 DIA EM AUSCHWITZ-BIRKENAU DE CRACÓVIA

Na manhã da minha visita a Auschwitz, fui saudada por um céu escuro e sombrio, com temperaturas que haviam caído em relação aos dias anteriores. E olha que estávamos na primavera. Rapidamente peguei meu casaco parka para me proteger do vento e da chuva, me sentido aliviada por pelo menos não ser um dia ensolarado. Acho que quando você está prestes a ver um lugar onde milhões de pessoas foram mortas, alienadas e torturadas, um dia ensolarado teria me parecido um pouco errado.


Auschwitz-Birkenau é o local de um dos maiores assassinatos em massa da história. Se você cresceu nos últimos 40 anos, provavelmente estudou a Segunda Guerra Mundial na escola, assistiu a Lista de Schindler, leu O Garoto de Pijama Listrado ou assistiu documentários sobre o assunto. Como eu, você provavelmente sente que sabe sobre o Holocausto e sabe sobre Auschwitz.


No entanto, ir para local real onde tudo aconteceu me assustava um pouco e, como eu não sabia o que isso faria comigo, relutava em marcar a viagem e ficava adiando por completo. Mas finalmente eu fui em maio de 2016.


Auschwitz fica 75 km a oeste da cidade, existem várias maneiras de chegar a Oświęcim / Auschwitz. A opção mais simples é reservar um tour guiado com uma empresa de turismo. Nós contratamos o uma excursão e foi excelente. Caso você queira ir sozinho sem excursão, não esqueça de comprar seus ingressos com antecedência e pular a fila grande.


A excursão nos pegou diretamente do lobby do nosso hotel Raddisson e nós fomos acompanhados por mais 4 pessoas em uma pequena confortável minivan para o passeio. Após alguns minutos de viagem, o motorista ligou um filme de Auschwitz. Era um antigo documentário sobre Auschwitz-Birkenau, feito com imagens originais em preto e branco filmadas nos campos de extermínio pelos nazistas durante seu reinado e após a libertação de Auschwitz por outros.


Havia imagens de pessoas tão frágeis que pareciam poder quebrar a qualquer momento. Houve testemunhos de médicos que examinaram sobreviventes de Auschwitz após sua libertação e entrevistas com pessoas que saíram vivas, mas foram transformadas para sempre. Foi difícil assistir. Doloroso e repugnante.


Dado o efeito que o documentário teve sobre mim, eu me preparei seriamente para a nossa visita pelos acampamentos.


Ao chegarmos no principal e maior campo de concentração do mundo: Auschwitz, paramos no estacionamento que estava cheio de ônibus de turismo, carros estacionados e muita gente conversando e comendo em uma espécie de restaurante em um galpão. Lá você pode encontrar alimentos e bebidas para comprar e pode ir ao banheiro antes de começar sua visita. Parecia que as pessoas não respeitavam muito o lugar, parecia que estavam em mais um ponto turístico sem se importar muito com a história que aconteceu ali. Mas quando entramos a coisa mudou de figura.


Nosso guia estava nos esperando com uma espécie de rádio para ouvi-lo melhor durante a visita. O guia nos conduziu pela horrível vida diária dos prisioneiros e os eventos traumáticos do holocausto. Nos dirigimos a porta de entrada, depois de passar pelo confuso controle de segurança (só são permitidas malas pequenas) passamos pelo famoso horripilante portão de Auschwitz com a frase icônica “Arbeit Match Frei” (“o trabalho liberta”); uma ironia horrenda no lugar onde tantas pessoas vieram morrer.

Passar por aqueles portões me fez perceber que não sabia de nada. Conhecer os fatos não significa que você conhece a história. E que até os fatos assumem um aspecto diferente quando você está no lugar onde tudo aconteceu.

O nome Auschwitz é sinônimo das piores coisas que os seres humanos podem fazer uns aos outros. Foi o maior dos campos de concentração nazistas, onde mais de 1,1 milhão de pessoas foram mortas. A maioria eram judeus, mas também havia poloneses, húngaros, ciganos e qualquer outra pessoa azarada o suficiente para chamar a atenção dos nazistas.


E hoje dois desses locais foram transformados em museu, um memorial aos que perderam suas vidas. Auschwitz-Birkenau não é um lugar que você ‘deseja’ visitar, mas é um lugar que você deve visitar, um lugar que com certeza afetará você.


OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO

Não há um, mas dois campos de extermínio em Auschwitz-Birkenau. O primeiro é Auschwitz I, em homenagem à cidade em que está localizado, Oświęcim. “Auschwitz” é simplesmente a versão alemã de “Oświęcim”. Antes dos alemães assumirem, era um acampamento do exército polonês e a transformaram em um campo de concentração de vários locais que praticava assassinatos em massa em escala industrial.


O exterior deste acampamento foi preservado praticamente como estava, mas alguns dos edifícios ganharam uma função de museu, ensinando os visitantes sobre o que aconteceu lá. Há prédios dedicados ao papel e ao sofrimento de países específicos no genocídio nazista e, em seguida, há quartos com fotos, aposentos preservados e celas de prisão. O que mais me impressionou em Auschwitz I foram os objetos expostos. Malas tiradas de pessoas que nunca voltaram de sua jornada. Sapatos e outros itens pessoais roubados de quem não sabia que nunca mais possuiria nada. Montes e montes de cabelo humano, raspado para ser usado como material de fabricação em um ato de desumanização completa.


E havia também a parede contra a qual os prisioneiros eram executados, com buracos nos tijolos como uma prova silenciosa do que antes deve ter sido uma precisão ensurdecedora e letal.

Os nazistas desenvolveram muitas formas de execução cruéis em Auschwitz I. Eles trancavam os prisioneiros em celas permanentes, não permitindo que se movessem. Eles os privariam de comida e bebida até que morressem ou eles os trancariam em quartos sem ar, deixando-os sufocados. E desenvolveriam seu método preferido de extermínio em massa: gasear prisioneiros com Zyklon-B, uma adaptação do pesticida Zyklon-A usado anteriormente para matar piolhos no campo


Nosso guia nos levou ao redor do terreno, entrando e saindo de quartéis e edifícios agora configurados como espaços de exposição. Por todos os lados, podemos ver torres de observações e cercas elétricas.




Quando a visita acabou, voltamos para a mini van e fomos para Birkenau, o trajeto foi curto e todos estavam em silêncio, ainda digerindo o que tínhamos acabado de ver.


Auschwitz II-Birkenau é o campo de concentração que a maioria das pessoas vê quando pensa em Auschwitz. Construído especificamente porque o campo de Auschwitz I era muito pequeno para o extermínio em massa que os alemães tinham em mente, leva cerca de meia hora para caminhar do portão de entrada até a parte de trás do campo. As estimativas são de que 90% das vítimas em Auschwitz morreram em Birkenau, o que equivale a cerca de 1 milhão de pessoas, 9 em cada 10 eram judeus.

Esse portão de entrada, com os trilhos da ferrovia atravessando e indo direto para o meio do campo, é uma imagem frequentemente usada em artigos e documentários sobre os campos de extermínio. Menos conhecido é o vasto campo em torno dessas trilhas, pontilhado de quartéis nos quais os prisioneiros seriam amontoados às dezenas nas piores condições possíveis. Eles morreriam de desnutrição, frio e trabalho exaustivo. Eles seriam executados como punição pelo menor erro ou seriam mortos nas infames câmaras de gás.

Os visitantes podem entrar nas câmaras de gás do campo de Birkenau e ver onde os prisioneiros precisavam se despir antes de serem conduzidos aos “chuveiros”.

Quando você vê o tamanho dos acampamentos, ouve o número de pessoas que foram amontoadas em barracas e compara com quantas foram trazidas, mas nunca conseguiram sair, sua mente fica entorpecida. Você não pode compreender a atrocidade de tudo isso!! Como as pessoas, seres humanos reais, foram capazes de fazer o que os nazistas fizeram??? Nunca irei entender.


O tempo para no campo de extermínio de Birkenau, preservando uma das criações mais horríveis da humanidade para que nós e as gerações posteriores possamos aprender as lições de Auschwitz e evitar que o passado se repita. Dói dizer que sinto que ainda temos muito que aprender.


Auschwitz faz tantas perguntas quanto responde. Para mim foi uma experiência sombria que tem sido difícil de se livrar, mas que foi muito importante ter. Como diz uma citação de Auschwitz: “Quem não se lembra do passado está condenado a repeti-lo”.


Visitar Auschwitz-Birkenau e ver esses lugares com seus próprios olhos é algo que você nunca vai esquecer.



Se você gostou das dicas, aproveita e segue também a gente no Instagram @emiloudaybyday
Assim você poderá acompanhar todas as nossas viagens em tempo real!
Confira também nosso canal no YouTube EmiLou Day by Day











Comments


bottom of page