top of page
  • EmiLou

WINCHESTER: a antiga capital da Inglaterra e a lenda do rei Arthur - Bate e volta de Londres

Atualizado: 7 de fev.

Winchester, é a antiga capita da Inglaterra, tem de tudo, desde vestígios romanos até uma catedral medieval histórica e imponente, e acreditam que esta cidade era onde ficava a famosa Camelot do lendário rei Arthur e a távola redonda. O que torna este passeio de um dia saindo de Londres ainda mais especial!

Catedral de Winchester

Nós amamos explorar a Inglaterra, fazer viagens rápidas de um dia, e existem muito lugares que nos impressionam. Mas existem lugares que não só impressionam mas também roubam nosso coração. Winchester é um grande exemplo, gostamos tanto desta cidade que por algum tempo, até cogitamos em morar lá. Visitamos várias vezes, pra visitar casas etc. e conhecemos bem o local, e por isso resolvemos dividir com vocês o nosso guia de Winchester para você fazer um passeio bate e volta perfeito saindo de Londres.


Winchester

Winchester esta localizada no sul da Inglaterra, no condado de Hampshire, a uma curta viagem de trem de Londres e quem visita esse lugar mergulha na história enquanto anda pelas ruas antigas desta pequena cidade. A catedral da cidade é uma das maiores no Reino Unido, mundialmente famosa por ter a mais longa nave medieval central da Europa e foi construída a mando do Guilherme, o Conquistador (William, the conqueror) e algumas partes da antiga muralha medieval que cercava a cidade ainda pode ser encontrada hoje perto do rio.

As irmãs viajantes Emi e Lou em frente a catedral de Winchester

Um pouco de história

Alguns dos primeiros colonos de Winchester chegaram lá há mais de 2.000 anos, na Idade do Ferro, por volta de 150 aC, estabelecendo um forte na colina e também um assentamento comercial na extremidade oeste da cidade moderna. Winchester foi o lar exclusivo da tribo Celta Belgae durante duzentos anos ou mais.


Pouco depois de os romanos desembarcarem em Richborough, Kent, em 43 d.C., soldados legionários com tropas auxiliares marcharam por todo o sul da Grã-Bretanha, capturando fortes nas colinas da Idade do Ferro quando necessário e impondo o domínio romano à população local.


As evidências sugerem, no entanto, que a tribo Belgae de Winchester pode muito bem ter recebido os invasores de braços abertos. O forte na colina de Begae parece ter caído em ruínas muitos anos antes da chegada dos romanos. Além disso, os invasores romanos nem sequer se sentiram ameaçados o suficiente para estabelecer um forte militar na área a partir do qual pudessem controlar os nativos revoltosos.


Os romanos, no entanto, começaram a construir a sua própria “nova cidade” em Winchester, conhecida como Venta Belgarum, ou mercado dos Belgae. Esta nova cidade romana desenvolveu-se ao longo dos séculos de ocupação para se tornar a capital da região, com ruas dispostas em grelha para acomodar as esplêndidas casas, lojas, templos e banhos públicos. No século III, as defesas de madeira da cidade foram substituídas por muros de pedra, altura em que Winchester se estendia por quase 150 acres, tornando-a a quinta maior cidade da Grã-Bretanha romana.


Juntamente com outras cidades romano-britânicas, Winchester começou a perder importância por volta do século IV. E as coisas parecem ter chegado a um fim quase abrupto quando, em 407 d.C., com o seu Império desmoronando, as últimas legiões romanas foram retiradas da Grã-Bretanha.


Num período de tempo relativamente curto após esta retirada, estas cidades e centros culturais outrora importantes e movimentados parecem ter sido simplesmente abandonados.


Durante o resto do século V e início do século VI, a Inglaterra entrou no que hoje é conhecido como Idade das Trevas. Foi durante a Idade das Trevas que os anglo-saxões se estabeleceram no sul e no leste da Inglaterra.


Por volta de 430 d.C., uma série de migrantes germânicos chegou à Inglaterra, com jutos da península da Jutlândia (atual Dinamarca), anglos de Angeln, no sudoeste da Jutlândia, e saxões do noroeste da Alemanha. Ao longo dos cem anos seguintes, os reis invasores e seus exércitos estabeleceram seus reinos. A maioria desses reinos sobrevive até hoje e são mais conhecidos como condados ingleses; Kent (Jutos), East Anglia (Ângulos orientais), Sussex (saxões do sul), Middlesex (saxões médios) e Wessex (saxões ocidentais).


Foram os saxões que se referiram a um assentamento romano como "caester", e assim, no oeste saxão de Wessex, Venta Belgarum tornou-se Venta Caester, antes de ser alterada para Wintancaester e eventualmente corrompida para Winchester.


A partir de 597 dC, a nova fé cristã começou a se espalhar pelo sul da Inglaterra, e foi em meados do século VII que a primeira igreja cristã, a Old Minster, foi construída dentro das muralhas romanas de Winchester. Alguns anos depois, em 676, o Bispo de Wessex mudou sua sede para Winchester e, como tal, o Old Minster tornou-se uma catedral.


Embora nascido em Wantage, em Berkshire, o filho mais famoso de Winchester é Alfred ‘O Grande’. Alfredo (Aelfred) tornou-se governante dos saxões ocidentais depois que ele e seu irmão derrotaram os vikings dinamarqueses na Batalha de Ashdown. Em 871, com a tenra idade de 21 anos, Alfredo foi coroado Rei de Wessex e estabeleceu Winchester como sua capital.


Para proteger o seu reino contra os dinamarqueses, Alfredo organizou as defesas de Wessex. Ele construiu uma marinha de novos navios rápidos para se defender contra ataques do mar. Ele organizou a milícia local em “forças de reação rápida” para lidar com invasores vindos de terra e iniciou um programa de construção de assentamentos fortificados em toda a Inglaterra, dos quais essas forças poderiam se reunir para defender.


Saxon Winchester foi reconstruída, as pessoas foram incentivadas a se estabelecer lá e logo a cidade estava florescendo novamente. Foram fundadas tanto New Minster quanto Nunnaminster. Juntos, eles rapidamente se tornaram os mais importantes centros de arte e aprendizagem da Inglaterra.


Em 1066, após a Batalha de Hastings, a viúva do rei Haroldo, que estava hospedada em Winchester, entregou a cidade aos invasores normândos. Pouco depois, Guilherme, o Conquistador, ordenou a reconstrução do palácio real saxão e a construção de um novo castelo a oeste da cidade. Os Normandos também foram responsáveis pela demolição da Velha Catedral e pelo início da construção da nova catedral atual no mesmo local em 1079.


Ao longo do início da Idade Média, a importância de Winchester como um centro cultural significativo foi reafirmada repetidas vezes, como testemunhado pelo número de nascimentos, mortes e casamentos reais que ocorreram na cidade.


A sorte de Winchester, no entanto, começou a declinar durante os séculos XII e XIII, à medida que o poder e o prestígio foram gradualmente transferidos para a nova capital em Londres, incluindo a transferência da casa da moeda real.


O desastre atingiu Winchester em 1348-49, quando a Peste Negra chegou, trazida da Europa continental pela migração de ratos negros asiáticos. A praga voltou novamente em 1361 e em intervalos regulares durante décadas depois. Estima-se que mais da metade da população de Winchester pode ter morrido devido à doença.


A sorte de Winchester durante grande parte da Idade Média derivou da indústria da lã, já que a lã produzida localmente era primeiro limpa, tecida, tingida, transformada em tecido e depois vendida. Mas face ao aumento da concorrência interna, esta indústria também diminuiu, de forma tão dramática que se estima que por volta de 1500 a população da cidade tinha caído para cerca de 4.000.


Esta população diminuiria ainda mais quando, em 1538-39, Henrique VIII dissolveu as três instituições monásticas da cidade, vendendo as suas terras, edifícios e outros bens a quem pagasse mais.


Durante a Guerra Civil Inglesa, Winchester mudou de mãos várias vezes. Talvez através de sua estreita associação com a realeza, no entanto, o apoio local ficou inicialmente com o rei. Num dos atos finais daquele longo e sangrento conflito, os homens de Cromwell destruíram o Castelo de Winchester, evitando que voltasse a cair nas mãos dos monarquistas.


Com uma população de cerca de 50.000 habitantes, Winchester é hoje uma cidade mercantil tranquila e refinada.


A lenda do Rei Arthur e Winchester

A Távola Redonda associada ao Rei Arthur é um artefato lendário e mítico, e sua conexão com Winchester, no Reino Unido, faz parte da lenda e tradição histórica Arthuriana. Embora não haja nenhuma evidência concreta para provar a existência do Rei Arthur ou de uma verdadeira Távola Redonda em Winchester, a lenda está profundamente entrelaçada com o folclore britânico há séculos.


A associação com Winchester provavelmente decorre de várias fontes e narrativas históricas:

  • Significado geográfico: Winchester, a antiga capital da Inglaterra, ocupa um lugar especial na história britânica. Foi um dos principais centros de poder durante diferentes períodos, incluindo a época em que surgiu a lenda do Rei Arthur.

  • Romance Medieval: O conceito de Távola Redonda do Rei Arthur tornou-se popularizado em romances e literatura medievais, como "Le Morte d'Arthur" de Sir Thomas Malory no século XV. Winchester foi frequentemente mencionado como o local da corte de Arthur nesses escritos.

  • Castelo de Winchester: O Castelo de Winchester é um local histórico em Winchester. O Grande Salão do Castelo de Winchester (The Great Hall) contém uma grande mesa redonda que remonta ao século XIII. Embora se acredite que esta mesa tenha sido criada durante o reinado do rei Eduardo I (que por sinal amava as histórias do rei Arthur, e fez com que a lenda de Arthur não só crescesse, mas torna-se conto literário dominante da Europa medieval) e não seja de origem Arturiana, ela foi associada à lenda Arturiana devido à sua forma e localização.

A associação com o Rei Arthur e a Távola Redonda fez de Winchester uma atração turística, atraindo visitantes interessados na lenda e na história arturiana. É importante notar que as histórias do Rei Arthur são uma mistura de mitologia, lenda e relatos históricos, tornando difícil separar o fato da ficção. Embora não existam provas históricas concretas que confirmem a existência do Rei Artur ou da Távola Redonda em Winchester, a lenda continua a ser uma parte significativa da herança cultural britânica e continua a capturar a imaginação de pessoas em todo o mundo.


A Lenda

A figura de Arthur apareceu pela primeira vez na poesia galesa no final do século VI e início do século VII, um herói que supostamente liderou os bretões na batalha contra os invasores saxões.


O Rei Arthur nunca abandonou o domínio da imaginação. E ao longo do tempo os contos foram recontados em inúmeras versões e os escritores foram adicionando alguns temperos a lenda como a espada mágica Excalibur, os Cavaleiros da Távola Redonda, o triângulo romântico de Arthur com a Rainha Guinevere e Sir Lancelot, e o ferimento mortal de Arthur na Batalha de Camlann.


Quando a lenda de Arthur nasceu, a Grã-Bretanha estava em colapso. O Império Romano fez a sua primeira incursão nas Ilhas Britânicas em 55 a.C., acabando por conquistar grande parte do território até à atual Escócia. A sua conquista e o seu longo governo foram muitas vezes violentos, mas os romanos também construíram estradas e estabeleceram cidades como Londinium e Durovernum Cantiacorum, hoje Londres e Canterbury. Em toda a província romana da Britânia, a qualidade de vida melhorou bastante.


Então, em 410 d.C., Roma, sitiada em casa pelos visigodos, uma tribo germânica da Europa Oriental, retirou as suas tropas e mergulhou a Britânia no caos. As instituições civis desapareceram, a economia entrou em colapso e os bens domésticos básicos tornaram-se escassos. As invasões saxãs aterrorizaram a população e a Britânia fragmentou-se em feudos dominados por homens fortes muitas vezes brutais e suas gangues. A peste e a seca atingiram a região, exterminando uma parte significativa da população.


Muitos historiadores acreditam que um guerreiro heróico provavelmente surgiu durante este período para liderar os bretões, que haviam abraçado amplamente o cristianismo, contra os saxões pagãos. Por outro lado, os historiadores da Idade Média são amplamente conhecidos por terem misturado factos e ficção para promover uma agenda política ou religiosa. Numa altura em que os saxões estavam a conquistar a Grã-Bretanha, os britânicos precisavam de um “guerreiro amado por Deus” para reunir os seus espíritos e restaurar a glória da nação emergente.


Guia de Winchester

Catedral de Winchester

A apenas 10 minutos a pé da estação de trem de Winchester fica aquela que é possivelmente a atração mais conhecida de Winchester, a Catedral de Winchester. Construída em estilo gótico e de tamanho muito grande, pois é uma das maiores catedrais da Europa.


A catedral gótica medieval é o local de descanso final de (entre outros) Jane Austen. Há uma pequena taxa para entrar na catedral que achamos que vale a pena. Esta é uma catedral verdadeiramente magnífica com uma história fascinante. Muitos dos vidrais foram quebrados durante a Guerra Civil Inglesa pelos roundheads. Mas todos os vitrais foram restaurados com sucesso.


Existem diversas visitas guiadas (dentro da catedral, cripta e torre no telhado), possui uma exposição em três níveis. Além disso, alguns filmes e programas de televisão foram filmados lá dentro, incluindo O código de da Vinci (2006), The Golden Age (2007), estrelado por Cate Blanchett, e The Crown, da Netflix.


No Código Da Vinci, a catedral era o Vaticano e no The Crown era a Catedral de São Paulo, onde ocorreu o verdadeiro funeral de Winston Churchill.


O rei Alfredo foi enterrado na antiga catedral mas foi removido de lá durante a reforma e nunca mais acharam.


Outro fato curioso, é que no início de 1900 apareceram várias rachaduras na estrutura porque a fundação da catedral estava alagada. William Walker, um mergulhador profissional trabalhou todo dia durante 6 anos, colocando 25,000 sacos de concreto na base da fundação.

Foto do ingresso da catedral de Winchester

O ingresso custa £12.50 e você pode comprar no dia da sua visita sem problema na bilheteria da catedral de Winchester.


Castelo de Wolvesey

O Castelo Wolvesey, também conhecido como Antigo Palácio do Bispo, é um notável palácio do século XII em Winchester que já foi o lar dos bispos de Winchester. As fantásticas ruínas do castelo ficam dentro das muralhas da cidade e foram concluídas por Henry de Blois. A Rainha Maria e Filipe II de Espanha celebraram a sua festa de casamento no Castelo Wolvesey em 1554. O castelo possui uma arquitectura original que pode ser explorada através de placas descritivas colocadas ao longo das suas ruínas.


Winchester College e site de Jane Austen

Perto desta mesma área existe uma placa (semelhante às placas azuis encontradas em Londres) ligada à grande autora Jane Austen. Este edifício amarelo foi onde Jane Austin viveu seus últimos dias em Winchester e morreu em 18 de julho de 1817. A casa está localizada em 8 College Street. A maior escritora Inglesa Jane Austin, escreveu grande obras como 'Razão e sensibilidade' e 'Orgulho e Preconceito', quase todos os seus livros se passam em Hampshire.


A 6 minutos a pé daqui fica o Winchester College, a escola mais antiga em funcionamento contínuo na Inglaterra – sim, ainda mais antiga que as universidades de Cambridge e Oxford! O Winchester College oferece passeios, e foi usado como locação de filmes como o Harry Potter, o filme Os Miseráveis ​​(2012) e programas de televisão como o The Crown.




O Grande Salão do Castelo de Winchester (Távola Redonda do Rei Arthur)

Construído em 1067 e demolido em 1645, o Grande Salão é tudo o que resta do Castelo de Winchester – pelo menos no nível do solo. No extremo oposto do pátio existe uma área onde os visitantes podem descer escadas e ver as passagens restauradas das caves da torre. Estas passagens não são abertas ao público e são difíceis de ver porque é muito escuro através das grades.


Por um pequeno preço, você pode visitar o Salão principal construído no século XII. Guilherme, o Conquistador, construiu o castelo, mas Henrique III (Henry III) que nasceu no castelo encomendou o Grande Salão (The Great Hall).


A principal atração dentro do Grande Salão é o Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda. Muitos lugares na Inglaterra afirmam ser a cidade mítica de Camelot, onde o Rei Arthur manteve a corte ao lado de seus cavaleiros e governou a Grã-Bretanha. A mesa redonda em exibição é construída com 121 peças separadas de carvalho inglês e pesa 1.200 mil quilos, e fica pendurada na parede e está pendurado lá deste 1348. O tampo da mesa está inscrito com os nomes dos cavaleiros da corte do Rei Arthur.


Graças à tecnologia e à datação por anéis de árvores, os historiadores são capazes de determinar que a tábua da mesa remonta ao século XIII. Não está confirmado quem encomendou a criação da mesa, mas muitos acreditam que foi Eduardo I, em 1250 para um jantar para celebrar o casamento de seus filhos em 1290. O rei Henrique VIII (Henry VIII) visitou o grande salão em 1516 and pediu para a mesa fosse pintada, a sua rosa que simbolizava sua família/casa Tudor ficasse no meio da mesa e que a cara do rei Arthur fosse parecida com ele quando novo.


O portão que fica ao lado oposto da Távola Redonda está o portão que foi dado como presente de casamento em 1981 ao então príncipe Charles e a princesa Diana.


No lado esquerdo do Grande Salão está uma estátua de bronze da Rainha Vitória criada por Sir Alfred Gilbert R.A em 1887 para marcar o Jubileu de Ouro da Rainha e fora do Grande Salão você encontrará o Jardim da Rainha Eleanor, que leva o nome de dois Rainhas que viveram no castelo – Leonor da Provença (esposa de Henrique III) e Leonor de Castela (esposa de Eduardo I). O Jardim é uma recriação dos jardins mais comuns do século XIII que forneciam um caramanchão em túnel. Esses tipos de túneis protegiam a tez pálida das mulheres do sol devido aos salgueiros, videiras e rosas encontrados entre eles. Subindo as escadas dentro do salão, está uma exposição que conta a história do Great Hall e da Inglaterra. Vale muito a pena a visita se você quer aprender um pouco mais sobre a história.

As irmãs viajantes Emi & Lou em frente a távola redonda do rei Arthur

Museu Westgate

Originalmente uma prisão para devedores há mais de 150 anos, agora transformado em museu oferece uma visão fascinante de Winchester ao longo dos tempos. Além de abrigar numerosos achados arqueológicos e documentação histórica de toda a cidade, este edifício listado como grau um tem inúmeras escadarias íngremes originais e ainda oferece vistas incríveis da cidade de Winchester.


Embora muitas das atividades dentro do museu sejam voltadas principalmente para crianças, ainda assim foi divertido experimentar armaduras e criar peças de latão! Outra atividade imperdível do Museu Westgate era subir a escada estreita e íngreme para chegar ao telhado do edifício. Passeie pelo pequeno espaço e você será recompensado com belas vistas da cidade antiga.


Centro da Cidade

Há um centro da cidade pequeno, mas agradável, onde existem várias lojas e lugares para comer. Cafés, restaurantes e lojas independentes estão situados em casas medievais de madeira exposta super bem conservados (muito fofo!). Há também um mercado local que serve comida fresca de rua, vende antiguidades e produtos locais.


Na High street você encontra a Winchester Buttercross, que é um monumento datado do século XV. O monumento possui 12 estátuas da Virgem Maria, de santos e de várias figuras históricas. No passado, o local era usado por camponeses para vender produtos, daí o nome de “Cruz de Manteiga”.


Outro lugar interessante na cidade, é passear às margens do Rio Itchen. Há uma bonita área verde, bem agradável e relaxante que fica entre o rio e a muralha do castelo Wolversey. Há plantas, árvores e bancos para descansar e admirar a bonita vista.


Estátua do rei Alfredo

A estátua de bronze do Rei Alfredo, o Grande, localizada em Winchester, é um marco famoso que comemora o governo de um dos monarcas mais célebres da Inglaterra. Erguido em 1901 sobre um pedestal feito de granito da Cornualha, fica no extremo leste da histórica rua principal de Winchester e serve como um símbolo icônico da capital da Inglaterra durante o século IX.


Para quem quer saber um pouco mais da cidade e sua história, fazer um walking tour com um guia especializado é sempre uma boa opção.



Qual é a melhor época do ano para visitar Winchester?

A melhor época do ano para visitar Winchester é durante os meses de verão, julho e agosto. Este período oferece a melhor chance de um clima quente e ensolarado para ajudá-lo a aproveitar tudo o que esta cidade histórica tem a oferecer! Também é horário de pico para os turistas, então espere que a cidade esteja movimentada.


Maio e setembro também costumam oferecer um clima agradável para visitas (embora tenha em mente que é o Reino Unido, então o clima pode ser imprevisível)


Nos meses de outono e inverno, Winchester (como em qualquer outro lugar do Reino Unido) pode estar frio e úmido. Se você estiver viajando para a região durante esses meses, é melhor estar preparado com agasalhos e capas de chuva adequados.


Mercado de Natal

Para quem é fã das feirinha de Natal, vale a pena visitar a cidade durante a temporada natalina. Porque Winchester também realiza um famoso mercado de Natal em novembro e dezembro de cada ano, com muitos eventos festivos e celebrações realizados dentro e ao redor da catedral.


Como chegar em Winchester de Londres?

Winchester possui uma extensa rede de transporte público que atende destinos locais e regionais. Como ela é uma cidade bem compactada ela pode ser feita toda à pé. Chegar em Winchester saindo de Londres é super fácil!


Trem

Existem vários trens direto saindo da estação de Waterloo em Londres para Winchester e leva apenas cerca de uma hora. Os trens circulam várias vezes ao dia, facilitando o planejamento de sua viagem de acordo com o que você deseja ver! Reserve seus bilhetes de trem usando a plataforma Trainline.


Carro

Dirigir de Londres para Winchester leva aproximadamente duas horas (dependendo do trânsito). Convenientemente localizada perto dos cruzamentos 9, 10 e 11 da M3. Também acessível pela A34 de Newbury e Oxford.


Park & Ride está disponível em Winchester:

  • Barfield Park & Ride: Barfield Close, SO23 9SQ – acesse pela M3 Junction 10 (norte) or M3 Junction 9 (sul)

  • St. Catherines Park & Ride: Garnier Road or Bar End Road, SO23 9NP – acesse pela via M3 Junção 10 (norte) or M3 Junção 9 (sul)

  • South Winchester Park & Ride: Hockley Link, Winchester – Acesse pela via M3 Junção 11, SO21 2FG

  • Pitt Park & Ride: Romsey Road, SO22 5PR

Estacione seu carro em um desses estacionamentos e pegue o ônibus para o centro da cidade.


Aonde ficar hospedado em Winchester

Para uma localização central o Hotel du Vin Winchester merece menção especial por ser o primeiro Hotel du Vin, num belo edifício georgiano no coração da cidade. Os 24 quartos são elegantes, o bar animado, a comida é boa e a carta de vinhos é extensa.


Para um hotel de casa de campo, Lainston House é um hotel rural de 50 quartos nos arredores de Winchester. Convertido a partir de uma mansão de tijolos vermelhos do século XVII, rodeada por belos jardins e parques, este é um local tranquilo, popular entre os pescadores entusiastas e aqueles que procuram uma pausa romântica.


Para um lugar único, o The Black Hole B&B é um hotel com tema de prisão que oferece 10 “celas” extremamente elegantes para os hóspedes escolherem.


Para uma acomodação tradicional em pubs, The Westgate está bem localizado e tem uma ótima relação custo-benefício e os quartos são bem elegantes.


The Old Vine oferece encantadores quartos tradicionais ao lado de um pub/bistrô que serve refeições saudáveis, vinhos finos e cervejas.


Com localização central e encantadoramente tradicional em todo o The Wykeham Arms, é ideal para explorar a cidade.


Castelo de Highclere

Localizado a apenas 38 quilômetros (aproximadamente 30 minutos de carro) está o Castelo de Highclere (ou Downton Abbey para os fãs do programa de TV e filmes). Leia nosso guia para visitar Highclere.


Reserve seu tour para o Highclere aqui.


Faça uma viagem de um dia para Salisbury

Salisbury é um destino igualmente bonito, a apenas uma hora de trem de Winchester. Salisbury pode ser facilmente visitada como uma viagem de um dia saindo de Winchester e os destaques da cidade incluem uma catedral que tem a torre mais alta da Inglaterra e uma Queen Anne Townhouse (Mompesson House) que foi usada como local de filmagem do filme Razão e Sensibilidade de 1995.


Para aqueles que desejam combinar várias cidades históricas como uma excursão saindo de Londres, uma visita a Salisbury pode ser facilmente combinada com uma viagem a Winchester durante um fim de semana.




Se você gostou das dicas, aproveita e segue também a gente no Instagram @emiloudaybyday 
Assim você poderá acompanhar todas as nossas viagens em tempo real!
 

Planejando sua viagem para Londres ou qualquer outro destino no Reino Unido?


Sinta-se à vontade para explorar todas as valiosas dicas disponíveis no site e canal no YouTube EmiLou Day By Day, que estão aqui para ajudar o seu planejamento.



Não deixe de conferir as recomendações de pubs e restaurantes, dicas de passeios bate e volta saindo de Londres, além das informações mensais sobre Londres, sempre atualizadas para manter você informado sobre os eventos mais interessantes ao longo do ano. Descubra todas as dicas para aproveitar Londres e o Reino Unido por quem entende de verdade! Irmãs Viajantes UK Travel Experts  🇬🇧✈️

 

Comments


bottom of page